Buscar
  • YAM Trilhas Educacionais

A Produção de Texto e suas etapas – da elaboração da proposta ao seu refazimento

Atualizado: 4 de Nov de 2020



O objetivo deste pequeno referencial é compartilhar algumas reflexões sobre as várias etapas que envolvem o Eixo Produção Textual na Língua Portuguesa. Aqui não nos deteremos em gêneros textuais específicos e nem em séries determinadas. É como se fosse uma “moldura” geral dos aspectos que envolvem as produções textuais escritas, considerando-se que cada gênero ou tipologia textual demanda por si especificidades para sua apresentação, estudo e aprendizagem, na leitura e na escrita. Além disso, aqui não será o espaço para a discussão sobre os gêneros textuais próprios da oralidade, bem como não analisaremos os conceitos de multimodalidade e multissemiótica. Todos esses tópicos terão seu momento de abordagem e destaque aqui mesmo em nosso blog.

Vamos, então, nomear esta primeira partilha de práticas de “Abrindo o diálogo sobre a Produção Textual!”

A YAM destacou as etapas abaixo para começarmos nossa trilha:

  • Elaboração da proposta – contextos de produção (do professor/da professora e do aluno/da aluna)

  • Apresentação da proposta

  • Resolução da proposta – o momento da produção de texto

  • A correção do texto e a análise do professor/da professora

  • A devolutiva do texto

  • O refazimento do texto

Hoje, a YAM gostaria de compartilhar a etapa da correção do texto e a análise do professor/da professora sobre o resultado.

Vamos considerar que toda produção de texto deve apresentar uma “grade de correção” ou uma “rubrica” partilhada entre aquele ou aquela que solicita a produção e aquela ou aquele que a desenvolverá. Esses critérios podem ser aqueles já instituídos por avaliações externas, como é o caso da “Grade ENEM” ou “Grade FUVEST”, por exemplo, mas, em caso de gêneros textuais específicos/tipologias selecionados para um determinado bimestre, para uma sequência didática ou para um projeto intra ou interdisciplinar, essa grade ou rubrica precisa ser elaborada com base nos objetivos pedagógicos propostos, os quais a atividade mobilizará.


Por que é tão importante partilhar a grade de correção ou a rubrica? Porque todos os envolvidos na produção de texto têm o direito de conhecer as condições (de produção e de circulação) que envolvem esse momento especial e único da escrita. Ninguém deve escrever “no escuro” ou com a sensação de que há um julgamento subjetivo no ar e que, por algum motivo, ele ou ela, em sua escrita, será o objeto desse “julgamento”. Ideias, argumentos devem ser partilhados a partir de um contexto igualmente partilhado, neste caso o contexto inicial é o momento da produção, ele mesmo, com tudo que o envolve (as aulas de produção textual, as orientações do professor ou da professora, a proposta, a rubrica, o “fazer”, a correção, a devolutiva, o “refazer”...tudo isso é acionado...e muito mais...em 1h ou 1h30 ou 50 minutos).


Nesse sentido, deixamos aqui muitas palmas para o Vestibular da UNICAMP, de modo geral, mas em especial para suas propostas de Produção Textual, que já em seu enunciado apresentam as condições de escrita do candidato, posicionam o leitor ou a leitora em uma situação específica, o que já delimita: para quem escrevo? quem sou nesta produção? em qual gênero textual devo escrever? qual é o recorte? em qual modalidade? E para não deixar dúvidas, esses indicadores já vêm, muitas vezes, em negrito no enunciado de abertura da proposta. Vejamos os exemplos retirados de seu vestibular de 2019 (encontre aqui mesmo no Blog da YAM as propostas completas bem como comentários sobre elas extraídos diretamente da COMVEST) :


Excerto Tema 1 cujo gênero textual a ser desenvolvido foi um abaixo-assinado a ser encaminhado à direção da escola

“Você é um(a) estudante do Ensino Médio na rede pública estadual e soube de um acontecimento revoltante na sua escola: sua professora de Filosofia recebeu ofensas e ameaças anônimas por suposta tentativa de doutrinação política, ao ter iniciado o curso sobre as origens da Cidadania e dos Direitos Humanos modernos [...]” (grifos nossos)


Excerto do Tema 2 cujo gênero textual a ser desenvolvido foi um uma postagem em um fórum

“Sua professora de Geografia abriu um fórum no ambiente virtual da disciplina para discutir o tópico ´IDH e crescimento do PIB como indicadores de desenvolvimento´ e propôs as seguintes questões: a) Observe a classificação do Brasil nos rankings apresentados nos gráficos 1 e 2; b) Interprete os textos 3, 4 e 5; e c) Indique se haveria diferenças no desenvolvimento social do Brasil caso o país optasse por uma política econômica que tenha como consequência uma melhor classificação no ranking do IDH ou no ranking do crescimento do PIB [...]” (grifos nossos)

Daria um texto à parte a incrível seleção da Área do Conhecimento feita pela UNICAMP, Humanidades, e o fato de, nas duas propostas, termos professoras como condutoras das práticas, recortes interessantíssimos, mas que fogem de nossa discussão aqui.

Percebemos que não há “surpresas”. Além de a UNICAMP obviamente ter uma grade específica de correção, a “moldura” textual a ser seguida está toda no enunciado. E por moldura não devemos ler cerceamento, mas “condições de produção”.


Com base nessas observações, vamos considerar:

  1. A partilha de critérios, grade ou rubrica coloca os interlocutores em uma também partilha de contexto de produção: todos os envolvidos e todas as envolvidas sabem o que estará em jogo na escrita e na leitura/correção

  2. A escrita com base em critérios, grade ou rubrica tende a ser mais segura, confiante e autoral...sim, autoral...porque o autor ou a autora conduzirá seu texto com base em algumas condições e não outras e, assim, acionará melhor seu repertório, desenvolverá melhor um estilo (aqui a referência é Bakhtin) para sua escrita e abordará um tema de modo mais focado a partir de uma estrutura específica solicitada

  3. A leitura/correção com base em critérios, grade ou rubrica favorece uma maior objetividade nas observações e registros feitos pelo professor ou pela professora no texto da aluna ou do aluno. É muito difícil uma intervenção adequada no texto, no caso de um refazimento, quando a autora ou o autor do texto lê apenas “falta de coerência”, “ausência de coesão” ou se depara com trechos em que aparecem “?” ou “!”, apenas. Com parâmetros estabelecidos, fica claro, por exemplo, se no “grande critério” COESÂO, tem-se uma especificidade: ausência de uso do conectivo adequado (por exemplo). Já é um caminho para uma primeira identificação do que precisa ser aprimorado

  4. A grade, ou rubrica, pode ser dividida em campos/categorias, a depender do gênero textual selecionado para a produção ou da tipologia: coesão (detalhando-se quais aspectos serão priorizados na escrita e na leitura), coerência (idem), aspectos linguísticos (quais especificamente), progressão textual (que aqui pode ser narrativa ou descritiva ou expositiva ou argumentativa). Aqui temos, por exemplo, quatro grandes campos/categorias que podem ser subdivididos nos itens considerados essenciais para aquele texto, naquele momento, naquele contexto e naquela etapa de aprendizagem

  5. A grade ou rubrica virá com os pesos de cada grande campo/categoria subdivididos, sempre a depender do que o professor ou a professora quer priorizar naquele momento considerando como suas aulas foram conduzidas sobre o gênero textual ou a tipologia em questão. Sendo assim, a coerência pode ter um peso maior, ou a coesão, ou os aspectos linguísticos...ou...não...todos os campos ou todas as categorias podem igualmente ter o mesmo peso


Vale destacar: um comentário pessoal do professor ou da professora no texto do aluno reforçando as potencialidades e mesmo o que deve aprimorar sempre é visto como um momento em que a interlocução se expande e o autor ou a autora enxerga seu leitor ou sua leitora. Este momento é mágico e deve ser valorizado!

Este foi um primeiro momento para a abertura de várias discussões que se seguirão sobre o “evento” Produção de Texto! Esperamos já sermos AUTOR/A e LEITOR/A em conexão!


Perguntas? Sugestões? Comentários? Escreva-nos!

yamtrilhaseducacionais@gmail.com


Referência: Material da COMVEST

Redacao-2019
.pdf
PDF • 2.44MB

25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo